domingo, 14 de fevereiro de 2010

Esportes, Nacionalismo, etc...

Não quero entrar em discussões sobre se esporte é sublimação da guerra, se no esporte o importante é competir... Em algum momento mais oportuno, talvez fale sobre isso (aparentemente já tenho muitas dívidas de assuntos...), então vamos ao ponto:

Sou um fã e entusiasta do esporte, adoro assistir. Acompanho diversos esportes e campeonatos... Obviamente que o de maior ibope mundial é o que mais vejo, mas também é o mais transmitido. (Dilema da trakinas!)
No futebol, torço para o São Paulo Futebol Clube, então acompanho seus jogos, mas também assisto outros jogos de futebol no Brasil, acompanho o português (por ser filho de um e consequentemente torço para o Porto F.C.), inglês, italiano, copas americanas, européias, etc...
Também acompanho futebol americano, tênis, atletismo, automobilismo, vôlei, basicamente tudo que passa nos canais esportivos...

Mas o meu xodó é o Rugby, que conheci em Bauru pelo Javalis Rugby Bauru, time que treinei durante alguns anos e inclusive participei de algumas competições (Campeonato Paulista do Interior e Tusca). O Rugby que nasceu no mesmo período do futebol é um esporte que não teve o mesmo crescimento de seu irmão e consequentemente a mesma visibilidade midiática e consequente transformação em comércio (processo em atual expansão).

É defendido por seus jogadores por ser um esporte mais viril, honesto, disciplinado entre outros adjetivos bonitinhos para uma sociedade do Capital, mas para quem joga, sabe que é uma delícia, mas ainda não falei sobre nacionalismo, que era o motivo que vim escrever...

Quem me conhece, sabe do meu entusiasmo com futebol e rugby, meu entusiasmo por nacionalismo e hinos nacionais é diretamente inverso, nacionalismo é um engodo totalitarista... É bradado com orgulho e como dever do cidadão, para em qualquer momento de dificuldades aceitarmos sem questionamentos as ordens dadas pelo estado.

Para unir os assuntos, não vou cair no clichê de falarmos que somos nacionalistas só em época de copa do mundo e olimpíadas, o quero deixar, é uma provocação. Então vamos à ela:

No futebol de seleções vemos jogadores que não cantam os hinos nacionais, muitas vezes nem sabem a letra, colocaria aqui alguns vídeos de exemplo, mas todos estamos cansados de ver especulações da imprensa esportiva sobre isso. No rugby de seleções os jogadores cantam os hinos como se realmente fossem à guerra, cantam com coração, força, berram. Mesmo avesso aos hinos, acho emocionante de ver (afinal na Sociedade do Espetáculo, adoramos ver um).


Nuestros hermanos cantando na Copa do Mundo de Rugby em 2007: 


Aqui um vídeo que faz a comparação entre as Seleções Portuguesas de Futebol (Copa do Mundo FIFA 2002 - Japão e Coréia do Sul) e Rugby (Copa do Mundo de Rugby em 2007 - França), reparem no refrão "Ás armas, às armas, sobre a terra e sobre o mar...":


Com o processo de "pasteurização" mercantilista do rugby, quando os salários forem no nível dos de futebol, quando os times se tornarem empresas como no futebol, os jogadores continuaram cantando dessa forma?

Nenhum comentário:

Postar um comentário