22 de maio de 2010

#DicaMusical - John Lennon e ativismo: Power to the people

Poder às pessoas é o que John Lennon cantava em 1971. A música repete diversas e inúmeras vezes, quase como um mantra, o refrão "Power to the people" que Lennon fez para que todos pudessem, sem dificuldades, cantar e bradar em suas marchas.

Feita para a luta nas ruas a letra é bastante direta, sem enigmas ou grandes elaborações. Pedia o poder para as pessoas imediatamente, e faz um lembrete para os que lutam, como eles tratavam sua mulher em casa, adiantando o que cantaria no ano seguinte (e por aqui no post anterior!).

Como que em palavras de ordem, Lennon convidava todos para compartilharem o poder. Poder às pessoas.


Power to the people - Poder às pessoas
Power to the people, right on - Poder às pessoas, agora mesmo
Say you want a revolution - Você diz querer uma revolução
We better get on right away - É melhor começar agora
Well you get on your feet - Se coloque de pé
And out on the street - E saia para as ruas
Singing power to the people - Cantando poder às pessoas
Power to the people, right on - Poder às pessoas, agora mesmo

A million workers working for nothing - Um milhão de trabalhadores trabalhando por nada
You better give 'em what they really own - É melhor dar a eles o que realmente possuem
We got to put you down - Temos que te derrubar
When we come into town - Quando entramos na cidade
Singing power to the people - Cantando poder às pessoas
Power to the people, right on - Poder às pessoas, agora mesmo

I gotta ask you comrades and brothers - Eu tenho que perguntar camaradas e irmãos
How do you treat you own woman back home - Como é que vocês tratam sua mulher em casa
She got to be herself - Ela tem que ser ela mesma
So she can free herself - Para poder ser livre
Singing power to the people - Cantando poder às pessoas
Power to the people, right on - Poder às pessoas, agora mesmo

Ps: Para acompanhar as postagens sobre John Lennon, sugiro o link: http://bit.ly/PalpLennon 

21 de maio de 2010

#DicaMusical - John Lennon e ativismo: Women is the nigger of the world

A canção de hoje é "Woman is the nigger of the world" na qual John nos mostra que, apesar de, cada cultura existente escolher uma etnia diferente para odiar e criminalizar, (e muitas vezes essa etnia é a etnia negra), todas fazem o mesmo internamente, colocando a mulher sempre um papel de servidão ao homem e à sociedade. Creio que não é preciso ficar recordando exemplos, pois a situação de subserviência da mulher é algo escancarado. E não me venham dizer "Ah mas tem mulher presidente, tem mulher isso, tem mulher aquilo", porque são argumentos tão rasos que nem valem a pena levar a sério...

No vídeo, também ao vivo, Lennon diz que quem cunhou essa frase foi Yoko Ono, o que não é de se espantar, afinal o oprimido é quem melhor consegue exprimir a dor, e que ele, Lennon, demorou anos até finalmente entender o que ela queria dizer.

Nos Estados Unidos, país de residência de Lennon à época, a música teve uma grande repercussão, pois várias rádios baniram a canção por ter a palavra "Nigger" que é uma ofensa bastante grave por lá (algo como "Preto" por aqui), mas muitos personalidades negras de destaque correram para defender a música e sua veiculação.

Portanto peço que, novamente, acompanhem a música lendo e refletindo a letra!
Ps: Procurando a tradução pela internet, vi que vários sites traduzem a letra sem manter a característica da música que é chocar. Traduzem o nigger, por escravo, por excluído, etc... Mostrando que passados mais 30 anos a dificuldade de tratar o tema continua. Na minha opinião isso é um desrespeito duplo. Primeiro com a memória e mensagem da música, e segundo é um desrespeito com a memória do sofrimento do negro ao redor do mundo. Portanto, manterei a mensagem como deve ser passada.


Woman is the nigger of the world - Mulher é o preto do mundo
Yes she is...think about it - Sim ela é... pense nisso.
Woman is the nigger of the world - Mulher é o preto do mundo
Think about it...do something about it - Pense sobre isso... Faça algo sobre isso
We make her paint her face and dance - Nós a fazemos se maquiar e dançar
If she won’t be slave, we say that she don’t love us - E se ela se nega a ser nossa escrava, dizemos que não nos ama
If she’s real, we say she’s trying to be a man - Se ela é quem é, dizemos que quer parecer um homem
While putting her down we pretend that she is above us - Enquanto a colocamos para baixo, fingimos que ela está acima de nós

Woman is the nigger of the world...yes she is - Mulher é o preto do mundo... sim ela é
If you don’t believe me take a look to the one you’re with - Se você não acredita, dê uma olhada na que está com você
Woman is the slaves of the slaves - Mulher é a escrava dentre os escravos
Ah yeah...better screem about it - Ahh é... Melhor gritar sobre isso

We make her bear and raise our children - Nós a fazemos parir e criar nossos filhos
And then we leave her flat for being a fat old mother then - E, então, a deixamos de lado por serem velhas mães gordas
We tell her home is the only place she would be - Nós a ensinamos que o lar é o único lugar que ela deve estar
Then we complain that she’s too unworldly to be our friend - E, então, reclamamos que é muito tosca para ser nossa amiga

We insult her everyday on TV - Nós a insultamos diariamente na TV
And wonder why she has no guts or confidence - E nos perguntamos porque lhes faltam coragem e confiança
When she’s young we kill her will to be free - Quando jovens destruímos seu desejo de liberdade
While telling her not to be so smart we put her down for being so dumb - Enquanto as mandamos por não serem muito inteligentes, as culpamos por serem burras

We make her paint her face and dance - Nós a fazemos se maquiar e dançar

20 de maio de 2010

#DicaMusical - John Lennon e ativismo: Imagine

Estou fazendo várias "postagens-séries", não? Tem sobre Direitos Humanos que nunca terminei, poemas do Brecht, textos do Galeano, notícias do Feudo Uspiano, opiniões sobre o Ficha Limpa, as dicas musicais, entre outros... Agora iniciarei mais um, "John Lennon e ativismo". John Lennon sempre foi o mais politizado dos Fab4, cada um dos 4 tinha suas peculiaridades e seus interesses que começaram a florescer principalmente com o fim do período "Iê, iê, iê". Fez suas incursões ainda como Beatle e principalmente em sua carreira solo ou com sua parceira, Yoko Ono.

São várias e começarei logo com a mais simbólica, mais conhecida. A que talvez seja a síntese de todas as outras, uma que tocou por aí em exaustão e muitas vezes com sua intenção distorcida. Muitas vezes as pessoas a cantaram sem saber o real teor de sua letra, não notam que ela canta contra os pilares da sociedade burguesa, família, religião, estados, guerra, inveja, cobiça e a origem de tudo isso e, talvez, a mais difícil de abrir mão: a propriedade privada.

Coloquei um vídeo ao vivo, que é sempre mais pegado e creio que todos estão bastante familiarizados com aquele vídeo-clipe todo "clean" e calminho!

Sugiro que acompanhem a música prestando atenção na letra!


Imagine there's no heaven  - Imagine que não há paraíso
It's easy if you try - É fácil se você tentar
No hell below us - Sem inferno sob nós
Above us only sky - E acima apenas o céu
Imagine all the people - Imagine todas as pessoas
Living for today - Vivendo para o hoje

Imagine there's no countries - Imagine não existir países
It isn't hard to do - Não é difícil de fazê-lo
Nothing to kill or die for - Nada pelo que matar ou morrer
And no religion too - E nenhuma religião também
Imagine all the people - Imagine todas as pessoas
Living life in peace - Vivendo a vida em paz

You may say - Você pode dizer
I'm a dreamer - Que sou um sonhador
But I'm not the only one - Mas eu não sou o único
I hope some day - Espero que um dia
You'll join us - Você se junte a nós
And the world will be as one - E o mundo, então, será um só

Imagine no possessions - Imagine não existir posses
I wonder if you can - Surpreenderia-me se você conseguisse
No need for greed or hunger - Sem necessidade de ganância e fome
A brotherhood of man - Uma humanidade toda irmã
Imagine all the people - Imagine todas as pessoas
Sharing all the world - Compartilhando todo o mundo

8 de maio de 2010

"Eu acredito - Na imparcialidade da revista semanal"

De forma contundente Max Gonzaga descreve com perfeição a classe média brasileira leitora do PiG. Poderia até tecer comentários lembrar dos casos Suvane, Isabela, Cansei, mas seria uma perda de tempo, já que a música e o clipe mostram tudo!



Sou classe média - Papagaio de todo telejornal
Eu acredito - Na imparcialidade da revista semanal
Sou classe média - Compro roupa e gasolina no cartão
Odeio “coletivos” - E vou de carro que comprei a prestação
Só pago impostos - Estou sempre no limite do meu cheque especial
Eu viajo pouco, no máximo um pacote cvc tri-anual

Mais eu “tô nem ai” - Se o traficante é quem manda na favela
Eu não “tô nem aqui” - Se morre gente ou tem enchente em Itaquera
Eu quero é que se exploda a periferia toda

Mas fico indignado com o Estado quando sou incomodado
Pelo pedinte esfomeado que me estende a mão
O pára-brisa ensaboado - É camelô, biju com bala
E as peripécias do artista malabarista do farol

Mas se o assalto é em Moema - O assassinato é no “Jardins”
A filha do executivo é estuprada até o fim
Ai a mídia manifesta a sua opinião regressa
De implantar pena de morte, ou reduzir a idade penal
E eu que sou bem informado, concordo e faço passeata
Enquanto aumenta a audiência e a tiragem do jornal

Porque eu não “to nem ai”
Se o traficante é quem manda na favela
Eu não “to nem aqui”
Se morre gente ou tem enchente em itaquera
Eu quero é que se exploda a periferia toda
Toda tragédia só me importa quando bate em minha porta
Porque é mais fácil condenar quem já cumpre pena de vida