domingo, 3 de outubro de 2010

#Eleições2010 - Presidência

Antes de começar acho que cabe aqui algumas considerações sobre a postagem...

Comecei a escrever essa postagem três meses atrás com o lançamento oficial das campanhas. O cenário era outro. Pra mim era meio óbvio que existiria uma polarização entre Serra e Dilma. Pra mim também era claro que a esquerda ia ser contra ambas candidaturas. E que outros progressistas idem. Mas o que vi, principalmente nos blogs e twitter, foi muita gente boa, de muita boa argumentação, com ótimas histórias de lutas apoiando a Dilma de forma irrestrita. Daí vim escrever isso pra comprar uma briga com essa turma.

Não consegui, talvez porque eu tenha começado o mestrado e viajado tanto que não consegui, talvez porque eu não tenha nenhuma história e nenhuma força e afinei. Acho que tem um pouco dos dois.

Mas daí comecei a falar sobre meus votos e acho que pra isso é necessário eu refletir sobre o que penso de cada candidatura...

Espero ver vocês no fim da postagem, e espero que comentem!

Já faz algum tempo que foi dado o pontapé inicial da campanha eleitoral brasileira de 2010. Bom, pontapé de forma oficial, visto que as campanhas já tem, em alguns casos, anos.

A corrida presidencial, obviamente foi o que mais ocupou a mídia, gorda ou não, independente ou não. Com predominância da disputa Serra e Dilma. Após um tempo e com o declínio da candidatura de José Serra, a mídia gorda, começou a dar mais espaço para Marina, a alternativa da direita. Plínio roubou a cena nos debates pela sua franqueza. Como todos sabem não são só esses que disputam, mas não muita gente sabe quem são os outros... Não, não é Lost.


José Serra
José Serra era até poucos dias o governador do Estado de São Paulo. Se registrou no TSE como economista, mas dizem por aí que não tem diploma. Nem de engenheiro que também já disse ser.
Durante seu último mandato em São Paulo vai ser lembrado como um trator que não conversa, não ouve ninguém, não aceita não e não aceita ser contrariado.
Mandou bater em estudantes e funcionários da USP, mandou bater em professores, mandou bater em quer que reclamasse de qualquer coisa.
Acabou com a greve da Polícia Civil mandando a Polícia Militar para cima deles, o que quase gerou uma guerra que seria sem precedentes. Ambas corporações perceberam que a coisa ficaria feia e a Civil teve que recuar em suas reivindicações.
José Serra não conversa com grevistas. Não conversa com pobres. Não conversa com trabalhadores. Ele manda.
José Serra colocou operários em regime de trabalho intensivo (para não dizer escravo) para que o RodoAnel terminasse a tempo de inaugurar enquanto ainda governador (no último dia no cargo). Inaugurou as pistas, que não tinham postos de serviço, postos policiais, postos de gasolina, ou qualquer outro serviço necessário em rodovias. Também inaugurou e depois descobrimos que quando venta muito a velocidade tem de ser reduzida. Inaugurou em tempo, mas para isso teve que arcar (arcou?) com um gravíssimo acidente quando uma viga gigante caiu. Lembram?
Bom ele inaugurou a pista sem nenhum serviço necessário. Mas e os pedágios? De verdade não sei se tinham, mas algo me diz que posso ter a certeza de que já estavam por lá. O Estado de São Paulo tem uma verdadeira infestação de praças de pedágios. E com valores fora de qualquer tipo de realidade.
Mas José Serra nega, diz que não tem. E que isso é trololó petista. (Veja aqui quando Heródoto Barbeiro pressionou Serra sobre o assunto no programa Roda Viva. E saiba que Heródoto foi retirado do cargo logo em seguida).
José Serra sofreu, mas sofreu muito para ter um vice. Afinal, ninguém é trouxa de entrar numa furada. Quando não tinha mais o que fazer apresentou Álvaro Dias, também tucano, para o cargo. Os DEMOcratas piraram! Xingaram, bateram o pé e disseram que o vice era deles e ninguém tascava. No meio disso tudo, Roberto Jefferson, novo amiguinho e parceiro de Serra, escreveu em seu twitter que o DEM é uma bosta. Bom isso ninguém discute, mas criou um belo mal estar na já afundada candidatura. Então, o PSDB recuou e apresentou Índio da Costa como vice. Índio da Costa que já fez projeto de lei proibindo esmola!
Diziam que José Serra queria distância de FHC, pois este seria uma âncora em sua campanha. Mas José Serra sabe fazer isso sozinho.

Nesse meio tempo, José Serra já disse que é de esquerda e que vai dobrar o Bolsa-Família.

Ahhh Bolsa-Família como falam de você. Quando o FHC fez, Lula dizia que era um absurdo. Mas daí o Lula fez e o PSDB dizia que o Lula estava sustentando vagabundo. E agora o Serra vai dobrá-lo, dar décimo terceiro! Ai, ai, ai...

Eu, autor deste blog, tenho todos sentimentos negativos possíveis contra José Serra, portanto, vou parar por aqui, mas poderia falar muito mais deste.
(Ps, esse texto foi todo de quanto tentei escrever pela primeira. Para mais informações ler a postagem que comento sobre as candidaturas ao governo de São Paulo

Como já falei muito do PSDB na postagem do Governo de São Paulo, vou falar mais sobre a candidata...

Dilma Rousseff
Dilma Rousseff é a candidata do Lula. E é assim que ela se apresenta. Na medida que Serra esconde FHC, Dilma expõe o Lula. Afinal, grande parte do país não sabe quem é a Dilma. E os que sabem quem ela é, não sabem quem ela foi ou o que faz.
Minto. Muita gente sabe que ela foi terrorista. Afinal, o jornalão mais bonito colocou isso na primeira página. Mas a tal ficha era mentira e isso foi provado. Mas o jornal não colocou isso na primeira página, deixou a mentira no ar. Foi o dia no qual a Folha de São Paulo estampou um spam na primeira página.
E por enquanto esse é o grande argumento da oposição. Já que não tem muito o que falar da, até então, Ministra da Casa Civil. E por que não tem o falar? Porque até então ela não era ninguém. Na minha opinião, Dilma é um golpe de marketing do PT. Que, quando ganhar, não vai governar.
E isso é tudo que tenho de falar sobre Dilma. Porque não sei mais nada.
Mas posso falar do Lula? Afinal, ela se diz candidata do Lula.

Lula, na presidência desde 2003 se tornou, possivelmente, no presidente mais conhecido do Brasil. Como ele mesmo diria, nunca na história dessa país um presidente foi tão bem visto por aí. Adorado por gregos e troianos. É amigo íntimo de Fidel, Chavéz, Morales, Lugo. É parceiro do Ahmadinejad. Amigão do Sarkozy e o Obama disse que Lula é o cara. Lula é cotado para a ONU e diz que não quer. A revista TIME colocou Lula na capa da sua, já conhecida, edição de melhores do ano. É o presidente com a maior taxa de aprovação.

Então isso tudo quer dizer que ele é bom, né?

Depende. Lula e sua turma do PT, PCdoB e, pasmem, José Sarney e seu PMDB são muito melhores administradores da máquina capitalista do que o PSDB é ou foi. A crise, por aqui, foi contida com pulso firme e creio que Lula tem muita responsabilidade nisso. O Brasil, financeiramente cresceu muito nesses 8 anos. Empregos cresceram como nunca, o salário mínimo (continua mínimo) é o maior que já houve e blablabla. Resumindo é um ótimo presidente capitalista.

Mas os partidários dele poderão argumentar que diminuiu o número de pessoas na linha da miséria e pobreza. Que a diferença entre ricos e pobres diminuiu. Que o Brasil tem os melhores índices sociais da história. Eu concordo. Mas não acho que isso tudo foi feito por uma busca do socialismo. E sim em busca de um capitalismo ainda maior. Colocar pessoas para consumir, isso é o que foi feito. Nenhuma mudança significativa de status quo, puras mudanças cosméticas.

Lula e o PT conversam muito mais com as bases, não são as caras fechadas do Demotucanato. Não. Não são, mas são aquelas caras falsas que ouvem e depois pisam!

Eu, Henrique Castro, autor deste Palpitando.com.br, não consigo entender como tantas pessoas esclarecidas da esquerda aqui na internet possam capitanear campanhas para a Dilma. O PT não é um partido que propõe nenhuma transformação social de verdade. É um partido que quer o poder. Na minha opinião a diferença entre PT e PSDB é que o PT dá migalhas à quem luta e pede. O PSDB dá cassetadas. No oferecimento de migalha e cassetete, a migalha é melhor. Mas não é nenhum tipo de solução.

O governo petista é um governo corrupto, o problema que a maior parte do eleitorado de direita, conservador, acha que isso é invenção do PT. Dizem que não votam no PT pelo mensalão, mas não tem problemas em votar no PSDB, DEM, Maluf e outros canalhas do poder.

Votar no PT é votar num governo que sufoca os Movimentos Sociais. Estamos, talvez, no momento de menor força dos movimentos sociais e não é porque a coisa está boa, é porque o PT silencia os movimentos com promoções, cooptação de lideranças e silenciamento das bases. Talvez seja melhor as cassetadas da direita para que os movimentos acordem do que fiquem nessa oferta de migalhas.

Votar no PT é assumir que houve mudança, mas também é assumir que está satisfeito com a mudança. O PT não levanta nenhuma bandeira da esquerda. É contra a limitação de terras do latifúndio, é contra uma reforma agrária digna, é contra a emancipação do trabalhador, é contra a taxação de grandes fortunas, é submisso aos interesses do capital internacional. Votar no PT é se aliançar com figuras detestáveis da história política brasileira, como Sarney. Votar no PT é assumir que quer um país que seja de uma capitalismo qualitativamente melhor do que o Brasil tucano. Mas não é isso que quero, um país que rode nos trilhos do Capitalismo.

Mas antes de passar para um próximo candidato quero deixar meus parabéns pela candidata Dilma em sua luta contra a ditadura. Um dos maiores argumentos da ala conservadora para desqualificar a candidata foi dizer que ela foi terrorista. Pois bem, na minha opinião, uma pessoa que arriscou sua vida para lutar contra um governo militar de exceção no qual não existiam direitos individuais não é uma terrorista é uma heroína. O Brasil era um país no qual a polícia podia (se bem que isso ainda existe, afinal a PM de hoje é a Polícia política e social de ontem) prendia quem bem entendesse sem mandatos, sem conversas. Torturava, estuprava, humilhava, matava e sumia com os corpos. Tudo isso por ordem do estado. Isso é terrorismo, pegar em armas para lutar contra isso não é terrorismo é heroísmo. Existem momentos históricos nos quais você não ser perseguido, considerado perigoso e subversivo significa que você apenas abaixa a cabeça e segue a ordem do dia. Nesses momentos saúdo a todos aqueles que lutaram contra essa ordem. Mas o mais engraçado é que só lembrar da ficha da Dilma. José Serra era da organização que planejou a explosão do aeroporto de Recife, Aloysio Nunes também pegou em armas, e devemos agradecer a estes por isso e não desqualificá-los. Critiquemos pelo que fazem hoje.

Marina Silva
Marina Silva, até ontem PT. Não saiu do PT por problemas políticos, por discordâncias de como governar ou pela corrupção do PT, saiu porque achou que seria a candidata do Lula e não foi, daí foi procurar um lugar que a aceitasse. Pois bem, ela tem uma história de luta no Amazonas, no ambientalismo, então onde seria o lugar que ela tinha que parar? Na esquerda. Bom seria... Mas foi pra direita. O PV é a direita moderninha, a direita que não aceita desmatamento, mas aceita exploração do trabalho humano. Quer um mundo sustentável, mas sustentável pra quem?
Marina tem feito sua escalada como a garotinha sofrida que venceu na vida. Que foi se alfabetizar só quando jovem, que lutou com Chico Mendes. Mas que hoje tem como vice o alto empresariado. Seu vice é o candidato com maior declaração de bens da campanha, mais de R$1 bilhão de reais. É dono da Natura, uma dessas gigantes da indústria de cosméticos. Não sou nenhum especialista no assunto, mas sempre ouvi dizer que essas são das indústrias mais não verdes que existem, principalmente no que se refere no mau uso de cobaias. Talvez a Natura não se enquadre nessas, mas não sei.
Marina é, sendo a brilhante definição do Plínio, uma ecocapitalista. Defende os interesses do meio ambiente até o ponto onde não interfira nos lucros. Pode até tentar negociar, mas não vai longe, o empresariado manda.
Marina é evangélica fervorosa e seus discursos trazem toda a paixão da religiosa que é. Ótimo para ela, em sua religião, não no Estado. O estado é laico e devemos lutar por essa manutenção.
Então acho que votar na Marina é um atraso, é de certa forma votar no PT e no PSDB. Arrrgggghhh!!

Plínio de Arruda Sampaio
Plínio é aquele candidato que arrebentou nos debates. Alguns dizem que só o fez porque não tem nada a perder. Talvez seja verdade, afinal 4 anos atrás o PSOL teve uma votação expressiva sendo a terceira força da eleição, o momento era outro. Era a criação do PSOL logo após o mensalão de 2005. A esquerda toda estava unida em torno dessa candidatura, mas também estava uma grande parcela da população que votou no PSOL pelas denúncias e pelo esforço que fez para derrubar o governo Lula.
Para a campanha desse ano o PSOL pisou feio na bola. A escolha do candidato foi uma coisa caótica, as correntes internas do partido racharam e brigaram feito. A que se achava dona do partido, Heloísa Helena, não aceitou o fato de que iria perder e se retirou com toda sua bancada e ameaçou entrar na justiça e impugnar todo o processo. O racha foi evidente pois uma candidata que teve 6% dos votos válidos em uma eleição seria provavelmente uma personagem que alavancaria os votos de Plínio, mas ela não foi convocada e também não apareceu.
O PSOL é um partido que defende as bandeiras da esquerda, mas em 5 anos reproduz muito o PT com seus rachas e problemas. É um partido com expressividade nos movimentos sociais, mas um expressão que vem caindo muito fortemente. É um partido que caiu em alguma armadilha. Hoje se acha acima da esquerda revolucionária se dando, inclusive, o direito de não participar de um debate de candidatos da esquerda para participar de um debate de empresários. No entanto tem muita coisa boa, grandes nomes, grandes pessoas e inclusive uma coisa que descobri hoje que me fez recuperar bastante respeito ao partido.
A candidata do PSOL ao governo do Sergipe chamou Dilma de terrorista em um debate na televisão. Rapidamente o partido lançou a seguinte declaração: 

Repudiamos a postura de Avilete – Carta Aberta ao Povo Sergipano
setembro 29, 2010 por PSOL Sergipe
A Executiva Estadual de Sergipe do PSOL, de modo unanime, vem a publico, em respeito à juventude e aos trabalhadores sergipanos, em particular aos que lutam contra todas as formas de exploração e opressão, afirmar que varias posições defendidas pela candidata ao governo do estado pelo PSOL, Professora Avilte, suas atitudes internas no partido e com os partidos da Frentede Esquerda não condizem com as posições políticas e éticas do PSOL.
Em debate entre os candidatos realizado no dia 28 de setembro de 2009, referiu-se à candidata à presidência da republica do PT Dilma como terrorista.
Entendemos que todos os que lutaram contra a ditadura militar merecem o respeito do povo brasileiro a despeito de suas posições políticas atuais e, além disso, tal postura soma-se à direita mais conservadora de nosso país.
Nossas criticas a candidata Dilma dizem respeito a ela hoje representar um governo que governa em nome do capital, mantendo a subordinação de nosso pais as políticas imperialistas, defendendo os interesses do latifúndio e demais capitalistas em detrimento às reivindicações dos trabalhadores.
Quando a candidata Professora Avilete, em sua propaganda eleitoral defende posição contraria à discriminalização do aborto vai de encontro as resoluções do Congresso Nacional do PSOL, do Coletivo Nacional de Mulheres do PSOL, do Congresso Estadual do PSOL e contra as próprias mulheres vitimas dessa criminalização.
A postura da candidata nos debates entre os candidatos ao governo do estado fazendo coro com o candidato João Alves do DEM vai de encontro as resoluções congressuais do PSOL que coloca o partido em oposição ao governo da coligação petista, aos demais partidos da base de apoio do governo Lula e demais partidos de direita, o que inclui o DEM do candidato João Alves. O PSOL é uma oposição de Esquerda : Nem Deda, nem João.
Executiva Estadual de Sergipe do PSOL
Heitor Pereira Alves Filho - Presidente do Diretório Estadual
Odair Ambrósio - Vice-Presidente do Diretório Estadual
Dalvacir Azevedo Gois - Tesoureira do Diretório Estadual
Danilo Santana - Secretario do Diretório Estadual
Aracaju, 29 de setembro de 2010
Plínio é um homem de muita história, de muita luta e merece muito respeito. O PSOL é um bom partido mas desliza muito. É um bom voto, mas não é o meu.

Além dos 4 que aparecem na TV, existem outros. Não irei falar sobre os candidatos Levy Fidelix do PRTB nem de José Maria Eymael do PSDC. Mas citarei sobre os candidatos da Esquerda.


Ivan Pinheiro, Zé Maria e Rui Costa Pimenta
Esses são os candidatos, respectivamente, do Partido Comunista Brasileiro - PCB, Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados - PSTU e Partido da Causa Operária - PCO, e são os candidatos que tem colocado na pauta do dia as bandeiras da esquerda revolucionária. Todos eles sabem que não tem chances de vencer, nem de alcançar 1% dos votos, mas não é para isso que estão aí, estão aí para mostrar a população brasileira que todas as outras candidaturas, com exceção da do PSOL, são candidaturas do capitalismo internacional. São candidaturas que defendem a exploração do trabalhador, o poder dos bancos, empresários, a destruição do planeta, a democracia das armas de guerra, o latifúndio, os monopólios, as ditaduras de imprensa. São candidaturas do capital externo, que querem um país submisso às normas da ordem mundial que querem, exclusivamente, que os países do hemisfério sul político apenas produzam os produtos com mão-de-obra barata, se possível quase escrava.
Todos esses votos são válidos e honram a esperança de mudança. Mas não nos iludamos achando que é só isso.

Meu voto ainda é nulo. Mas isso explico depois das eleições!

Nenhum comentário:

Postar um comentário