domingo, 3 de outubro de 2010

Eleições2010 - Senado, Câmara Federal e Assembleia

Pois bem, prometi e vou cumprir!

Nesse aqui não vou ter muito o que falar, mesmo.

Primeiro vou fazer uma espécie de auto análise...

Ahh quisera eu fazer análise como a Mafalda...

Sou apenas um moleque, de 24 anos. Essa é a primeira eleição que realmente me interesso. Já votei outras vezes mas sempre só nulo, em 2006 votei no Plínio pra governador, o resto foi nulo. Era ativo no Movimento Estudantil apartidário e achava que é assim que deveria ser. Nesses últimos anos estudei bastante sobre comunismo e hoje já penso na necessidade de um partido revolucionário, forte. Mas não vejo isso no cenário atual, por isso do meu "nulismo"em alguns votos.
Minha prática política até, então, foi no movimento estudantil apartidário e dentro dele via muita gente de partidos. No início gente do PT e PCdoB, mas depois de 2005 esse povo sumiu. Depois apareceu bastante do PSOL, do PSOL já fiz minhas críticas (aqui quando falo do Plínio), mas sumiu rápido. O único partido que vi recorrentemente dentro do Movimento Estudantil da Unesp Bauru era o PSTU. Pois bem vi muita gente boa militando ali. Mas também vi muita gente que não prestava, que estava ali só para passar a perna no Movimento, não se preocupando nem um pouco com a Universidade e estava por ali exclusivamente para papagaiar a cartilha do partido. E gente assim que eu não aceitava. Que não contribuía em nada e atrapalhava muito. Mas tinha muita gente do PSTU que era parceiro mesmo na luta e com esses sei que posso sempre contar. Mas já vi muita gente falar que tem problemas com o partido por dar orientações de como votar sem ter debates ou possibilidades de debates.
Já vi gente que não é de partido mas é de correntes, como por exemplo a LER-QI, MNN, entre outras com as mesmas qualidades e problemas. O que é de se esperar em partidos, movimentos marxistas com todas suas contradições.
Mas me incomoda os sectarismos, a não possibilidade de diálogo entre essas partes, um autoritarismo no debate, tratoração em assembleias.

Mas venho percebendo em meus estudos a necessidade de um partido revolucionário, falta de uma formação assim e durante essas eleições me interessei muito pela discussão do PCB e de seus quadros. Mas uma coisa é vê-los ao longe, na televisão, na internet, ler suas produções na internet. Mas gostaria de conhecer a organicidade do partido, como funciona, como é que a coisa rola lá dentro. Portanto quem souber, peço o favor de deixar aqui o depoimento.

Pois bem, feita a reflexão deixou aqui minhas impressões sobre as eleições para o legislativo.

O executivo é aquele que tem a cara o tempo todo sendo mostrada. Tem glamour, mas quem tem poder mesmo é o legislativo. São tantos que acabam se disfarçando na multidão. Lógico que existem as carinhas conhecidas que estão sempre por lá, mas a maior parte "some" na multidão. E esse é o perigo... Para pensarmos um pouco, no senado são 81 senadores, 3 de cada estado. Na Câmara dos Deputados são 513 deputados! Estes distribuídos por uma semiproporcionalidade de acordo com a quantidade de habitantes. O estado de São Paulo elege 70, Minas, 53. Já Acre, Amazonas, Distrito Federal, entre outros elegem apenas 8, o mínino permitido. E para citar um exemplo estadual, a Assembleia Legislativa de São Paulo é composta por 94 deputados estaduais.

São muitos senadores e deputados, quase 600. Dentro desses 600 tem muita gente séria e muita gente luta por direitos reais do cidadão. Estes sérios estão dentro de diversos partidos das grandes às pequenas legendas. O problema das grandes legendas é de muitas vezes terem de colocar o rabo entre as pernas e votar pelo partido. No legislativo, ao contrário do executivo, é possível a eleição de muitos candidatos da esquerda por isso que acho que é fundamental elegermos parlamentares da esquerda. Pessoas que gerem discussões lá dentro. Que não permitam a mesmice, que se imponham perante os caciques do legislativo brasileiro.

Portanto meu voto vai para essas pessoas. O único voto nominal que darei é para o candidato Ivan Valente do PSOL para deputado federal, que realiza um ótimo trabalho no Congresso. Meus votos para o Senado serão nas legendas do PCB e PSTU e no estado de São Paulo para a legenda do PCB.



Com essa postagem encerro as postagens com minhas intenções de voto, que ficaram assim:

Deputado Estadual - 21
Deputado Federal - 5050
Senador - 21
Senador - 16
Governador - Nulo
Presidente - Nulo

Um comentário:

  1. Acho que essa eleição se difere pela força dos candidatos de esquerda e fraqueza das lideranças de direita (Serra, Romeu Tuma, etc). A verdade é que não gosto dos termos "direita" e "esquerda".

    Os candidatos "menores" souberam usar do pouco espaço na imprensa para lembrar pontos que os grandes e comprometidos (de rabo preso) não queriam tocar.

    Mas os debates não ficaram (tanto) no nivel das personalidades e sim no âmbito dos projetos. Isso é uma evolução e tanto.

    Quanto a presença dos partidos no ME, acho-a natural, mas sob o obvio risco da perda de foco. Na minha experiência tive contato com movimentos estudantis da USP, Unicamp e Unesp, e a tendência com a presença dos partidos são os rachas/monopólios e a submissão das pautas do movimento a conveniência do partido, usando os estudantes como uma massa de manobra.

    ResponderExcluir