terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Em defesa da liberdade de pesquisa científica

Em um claro ato de intimidação hospitais psiquiátricos de Sorocaba estão processando pesquisadores por denunciarem mortes e torturas em seus leitos.


Tal processo parece contraditório à recente notícia de que o grupo FLAMAS (Fórum da Luta Antimanicomial de Sorocaba) receberá no próximo dia 9 em Brasília uma premiação da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República na categoria Combate à Tortura.


Marcos Garcia, que realizou pesquisa que apurou mortes no setor psiquiátrico e cujos resultados foram discutidos na esfera do Flamas, acredita que ela tenha contribuído para a obtenção do prêmio: "A pesquisa suscitou fiscalizações e auditorias que confirmaram violações de direitos humanos."

De acordo com a pesquisa, num universo de sete hospitais psiquiátricos de Sorocaba e região, ocorreram 825 mortes entre janeiro de 2004 e julho de 2011, enquanto que no mesmo período em 19 hospitais do Estado de São Paulo, foram contabilizadas 808 mortes. Seis hospitais reagiram, entrando com ações indenizatórias contra Marcos Garcia e Lúcio Costa. (http://www.sinpsi.org/noticias.php?id=1746)

Em nome da defesa da liberdade de pesquisa o pesquisador Marcos Garcia lançou um site no qual expõe de forma clara todos os acontecimentos e pede apoio por meio de um abaixo assinado.


Confira, assine e divulgue


Os hospitais psiquiátricos privados da região de Sorocaba abriram um processo pedindo indenização por danos morais e materiais contra o Prof. Dr. Marcos R. V. Garcia, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) pela divulgação de pesquisa que investigou os óbitos ocorridos nestes hospitais.

O presente blog tem o objetivo de informar à comunidade científica brasileira e aos demais interessados sobre este precedente perigoso de tentativa de cerceamento à liberdade de pesquisa no Brasil e de divulgar os apoios ao referido pesquisador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário