quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Linha 4-Amarela do Metrô, Privatização de serviços e qualidade para o usuário.

Linha 4-Amarela do Metrô, Privatização de serviços e qualidade para o usuário. Palavras que não combinam

A linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo é a maior prova de como a iniciativa privada não deve ser responsável por ABSOLUTAMENTE NENHUM serviço prestado à população.

A linha 4 é recente, toda ela no Século XXI, com tecnlogia e designs inteligentes e descolados, bem iluminada e ventilada, mas COMPLETAMENTE incapaz de realizar sua função de forma adequada.

As primeiras linhas do metrô de São Paulo foram construídas na década de 70 e algumas novas estações surgiram nas décadas de 80 e 90. Foram obras bem pensadas e construídas, que até há poucos anos eram exemplos para metrôs do mundo inteiro. Durante décadas funcionaram de forma exemplar e sem lotações e mesmo com o gigante aumento populacional da capital paulista elas continuaram servindo bem. É óbvio que atualmente não dão conta, mas são estações adequadas, o que faltam são novas linhas e estações.



Pois bem, para isso planejaram uma nova linha, a linha 4-amarela, que como tudo nessa geração tucana foi dada de presente aos grandes empresários de qualquer parte do mundo. A construção da linha amarela teve como marca uma tragédia na estação Pinheiros, que por ser mal feita desabou engolindo casas, carros e pessoas.



E como que um negócio desses acontece? A iniciativa privada tem por questão primordial se preocupar com o próprio umbigo, e quando vai construir algo que não é para seu próprio usofruto (como seus imperiais arranha-céus e sedes) se utiliza do que for necessário para poupar dinheiro. Mesmo que isso signifique materiais de melhor qualidade, piores condições de trabalho, entre outras estratégias.

E tem como marca de funcionamento sua ineficiência de serviços. A linha amarela tem trens mais estreitos, as estações são apertadas e as escadas rolantes e elevadores são monstruosamente muito menores do que o necessário. São estações que forem construídas com vistas a economizar dinheiro e não proporcionar qualidade de serviços.



A linha amarela tinha como motivo e propaganda ser a linha da "integração" e é verdade se liga às linhas 1, 2 e 3 do metrô e também à algumas da CPTM e curiosamente não foi construída para abrigar todo esse fluxo.

Estações construídas 40 anos atrás estão mais bem preparadas para o atual fluxo do metrô do que esses lixos de estação que foram construídas nos últimos 6 anos.



Logo em sua inauguração a linha já ficou saturada, em seus primeiros anos aconteceram inúmeras falhas de operação.

Isso sem falar das composições sem maquinistas. No sistema até então existe um encarregado por cada composição - que já inúmeras vezes foram os responsáveis por impedirem tragédias que aconteceriam por conta dos sistemas eletrônicos - mas na linha amarela existe uma central de comando para monitorar os trens, e como bem sabemos a lógica do mercado é de intensificação e tensificação do trabalho, portanto é óbvio que não há 1 trabalhador para cada trem. Deve haver 1 trabalhador olhando simultaneamente para diversas telas com extensa e cansativa jornada, que jamais irá dar a mesma qualidade e segurança de viagem do que um maquinista presente na composição.



Mas isso tudo é apenas um pequeno episódio das malignas PPP - Parceiras Público Privadas - que vemos aumentarem cada vez mais em nosso Estado Mínimo...

Nenhum comentário:

Postar um comentário