terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Crianças roubadas

 FEVEREIRO
14

Crianças roubadas


 Os filhos dos inimigos foram prenda de guerra da ditadura militar argentina, que roubou mais de quinhentas crianças em anos recentes.
Muito mais crianças foram roubadas, porém, e durante muito mais tempo, pela democracia australiana, dentro da lei e debaixo de aplausos do público.
No ano de 2008, o primeiro-ministro da Austrália, Kevin Rudd, pediu perdão aos indígenas que tinham sido despojados de seus filhos durante mais de um século.
As agências estatais e as igrejas cristãs haviam sequestrado as criançcas, que foram distribuídas por famílias brancas, para salvá-las da pobreza e da delinquência e para civilizá-las e afastá-las dos hábitos selvagens.
Para branquear os negros, diziam.





FEVEREIRO
15

Outras crianças roubadas


 - O marxismo é a máxima forma da patologia mental - havia sentenciado o coronel Antonio Vallejo Nájera, psiquiatra supremo na Espanha do generalíssimo Francisco Franco.
Ele havia estudado, nas prisões, as mães republicanas, e havia comprovado que elas tinham instintos criminosos.
Para defender a pureza da raça ibérica, ameaçada pela degeneração marxista e pela criminalidade materna, milhares de crianças recém-nascidas ou muito pequenas, filhas de pais republicanos, foram sequestradas e arrojadas aos braços das famílias devotas da cruz e espada.
Quem foram essas crianças? Quem são, tantos anos depois?
Não se sabe.
A ditadura franquista inventou documentos falsos, que apagaram suas pistas, e aplicou a lei do esquecimento: roubou as crianças e roubou a memória.






Reportagens 1, 2, 3 e 4






Acompanhe a sequência de postagens #Os filhos dos dias - http://bit.ly/Palp-filhos-dias
Retirado do livro:
Eduardo Galeano - Os filhos dos dias. Editora L&PM, 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário