segunda-feira, 13 de abril de 2015

Eduardo Galeano, filho dos dias

Não sei o livro de vocês, mas meu 13 de abril está assim.






Começou a vida em escolas de pernas pro ar, assistiu futebol ao sol e à sombra, abraçou mulheres enquanto chorava as veias abertas de sua américa latina.

Filho dos dias, legítimo vagamundo, nasceu e morreu em Montevidéu, mas vive pelo mundo todo com suas palavras andantes.

Era uma segunda-feira de 2.015.
Camarada Eduardo Galeano presente!
Agora e sempre.


Nenhum comentário:

Postar um comentário